fbpx
Shopping online concept - Parcel or Paper cartons with a shoppin

Cresce em até 59% movimentação do e-commerce durante a pandemia

O distanciamento social provocado pela pandemia do coronavírus fez com que os negócios virtuais tivessem um expressivo aquecimento durante o período da circulação do vírus.  Países em que o hábito de comprar e vender pela internet seguiam em baixa, nos meses em que o vírus apresentou maior agressividade, tiveram mais movimentação pela internet, chegando a marca de 59% na comparação com o período sem a doença, como é o caso do Chile.

Os dados são da pesquisa do Instituto Ipsos feita em 28 países, que mostrou que os britânicos ficaram em segundo lugar, com 55% de aumento, e os turcos e coreanos, com 54%, na terceira posição. No Brasil, as vendas online tiveram crescimento de 47%, mas o número foi maior que a média mundial, que é 43%.

Para o consultor de negócios Diego Arruda, isso mostra uma tendência de mercado que merece atenção e dedicação dos empresários.

“Essa é uma nova modalidade de vendas que veio para ficar. Além da segurança em se comprar online e evitar a contaminação pelo vírus, o consumidor também tem mais comodidade e praticidade de fazer a compra de onde estiver, ao toque do celular”, comenta. “Para se dar bem nessa modalidade, cabe ao empresário entender esse novo formato e se dedicar à ele, oferecendo um ambiente acessível, de fácil compreensão e atrativo”, afirma.

Ainda segundo a pesquisa, o perfil do novo consumidor do comércio eletrônico é, principalmente: mulher (45%), com menos de 35 anos (45%) e de renda alta (49%).

Texto por: TI Inside | www.tiinside.com.br

 

Leia mais
fbenevides 26 de fevereiro de 2021 0 Comentários

Estudo da Visa aponta que segurança e prevenção de fraudes deve ser foco de micro e pequenas empresas

Terceira edição de estudo internacional da Visa ainda indica que 55% das MPEs brasileiras já aceitam novas formas de pagamentos digitais.

A terceira edição do estudo global “Visa Back to Business Study – 2021 Outlook”, indica que a contínua migração das micro e pequenas empresas (MPEs) para o comércio digital evoluirá neste novo ano, elevando o foco para áreas como segurança e prevenção a fraudes, além da contínua adoção e aceitação de pagamentos móveis. A pesquisa foi realizada entre 13 e 25 de novembro de 2020, no Brasil, Estados Unidos da América, Canadá, Alemanha, Irlanda, Hong Kong, Cingapura, Rússia e Emirados Árabes.

Segundo o estudo, no final de 2020, 82% das MPEs pesquisadas tinham adotado novas formas de tecnologia digital para acompanhar as mudanças de hábitos de consumo. Para 2021, as MPEs brasileiras continuam adotando tecnologias de pagamento para atender às expectativas do consumidor atual, o que tem impulsionando investimentos em novas soluções como softwares de segurança e proteção contra fraude (43%), aceitação de pagamentos via dispositivo móvel (35%) e parcelamentos para pagamentos online (42%). 

Se 2020 foi o ano dos pagamentos por aproximação e do e-commerce, os resultados deste estudo indicam que 2021 será o ano em que se dará mais atenção à segurança, à prevenção de fraude e ao teste de mais ferramentas emergentes de comércio digital, o que deve ajudar os negócios a prosperarem, afirma a Visa. 

Todos os mercados pesquisados viram uma rápida adoção de novas tecnologias de pagamento e mudanças no comportamento do consumidor com relação ao comércio. Abaixo, seguem os principais insights desta edição do estudo: 

  • Os pagamentos por aproximação vieram para ficar: impulsionada pela busca do consumidor por formas mais seguras de pagar em meio à pandemia em 2020, a ascensão global dos pagamentos por aproximação deverá continuar neste ano. Prova disso é que, em junho de 2020, 30% das MPEs brasileiras tinham oferecido pagamentos por aproximação pela primeira vez. Hoje, 55% relatam que começaram a aceitar novas formas de pagamento digital. Cerca de dois em cada três (64%) delas acreditam que os consumidores continuarão preferindo os pagamentos por aproximação mesmo depois que a vacina estiver disponível a todos.
  • No Brasil, a maioria dos pequenos empresários (88%) alterou sua forma de operar nos últimos três meses. Em junho, 50% dos pequenos empresários brasileiros estavam vendendo produtos e serviços online pela primeira vez devido à pandemia. Agora, 58% estão fazendo mais isso, contra 43% globalmente, superando todos os mercados pesquisados.
  • A luta contra as fraudes: globalmente, os empresários mais versados em tecnologia (52%) são mais propensos a investir em segurança e proteção contra fraudes do que seus pares menos experientes (39%). Reconhecer as implicações e responder a uma potencial fraude continuará sendo uma vantagem decisiva em 2021 à medida que a migração para as vendas digitais continuar aumentando. Embora sejam um fator de preocupação, os índices globais de fraude continuam nos menores níveis históricos, cerca de US﹩0,007 para cada US﹩1.

Texto por: IP News | www.ipnews.com.br

 

Leia mais
fbenevides 16 de fevereiro de 2021 0 Comentários
Shipment Online Sales, Small business or SME entrepreneur owner

Com vendas online estourando, logística inteligente inclui operações de estoques.

Personalizados para movimentação de produtos nas áreas de armazenagem, carga e descarga são necessários, mas temos um ingrediente extra neste 2021: as vendas online!

A pandemia que tanto assustou (e ainda assusta) o planeta trouxe o isolamento social – e o aumento das vendas online.  A Via Varejo, responsável pela gestão da Casas Bahia e Ponto Frio, informou crescimento de 20% no seu GMV (Gross Merchandise Volume – uma métrica criada para calcular o volume bruto de mercadorias em uma empresa) somente no Natal de 2020. Os números são decorrência das vendas do e-commerce  que trouxeram um aumento de 125,2% no período entre 19 e 25 de dezembro de 2020 comparado com 2019.

Agora, imagine um crescimento deste porte sem uma gestão de estoque eficiente? Seria um caos conseguir vender e não entregar: “Esta explosão no número de vendas online afetou todos os segmentos, consolidando este modelo de negócio. Agora, as empresas precisam prestar atenção na logística de estoque para não vender mais do que se consegue entregar” esclarece Renato Pádua, executivo de contas da CWBem.

Vantagens são inquestionáveis
Nesta equação, a terceirização de logística desafoga a operação pois, é feita através de mãos profissionais em todo o processo – recebimento de materiais e produtos, descarregamento, classificação e identificação, inspeção final, adequação e reaproveitamento de paletes e embalagens:

Terceirizar a logística é delegar tarefas da área para uma empresa que será parceira, incluindo não apenas a entrega de produtos finais, mas também o transporte de matéria-prima e demais componentes”

A terceirização dos processos logísticos reduz custos: Quando se delega a logística, se reduz custos e até mesmo, substitui custos fixos por variáveis, incluindo uma possível redução da folha de pagamento.

A terceirização dos processos logísticos traz know-how: Desafogada desta responsabilidade, a empresa pode usar este tempo e seus profissionais  para corrigir falhas e aprimorar diversos pontos, afinal, a logística estará em mãos experientes.

Terceirizar atividades secundárias, como a logística, possibilita o foco no core business gerando um ciclo positivo na organização. Estamos falando de gestores liberados para desenvolver estratégias e soluções que melhorem os serviços e produtos” completa Renato.

 

Texto por: Paranashop | www.patanashop.com.br

 

Leia mais
fbenevides 11 de fevereiro de 2021 0 Comentários

O que é Marketing por E-mail?

Vamos ver neste artigo as vantagens do E-mail-Marketing.

E-mail marketing é o processo de incorporação do uso de e-mails na estratégia de marketing de pequenas empresas.

É essencialmente a mesma coisa que enviar mala direta, boletins informativos e livros de cupons pelo correio. A única diferença com as demais formas de marketing é que essa estratégia de marketing ocorre por meio do correio eletrônico. Como a maioria das pessoas ao redor do mundo usa o e-mail como forma de comunicação, é ideal que você crie uma estratégia eficaz que o leve a uma pequena empresa se comunicar com seus clientes por e-mail.

Basicamente, existem várias maneiras de usar as técnicas de marketing por e-mail para comercializar sua empresa e também seus serviços para os consumidores. Por exemplo, você pode usar essa forma de marketing para atingir consumidores em potencial ou pode usá-la para comercializar seu negócio em diferentes locais públicos.

Tipos de marketing por e-mail :

Existem três tipos gerais de estratégias de marketing por e-mail que você pode usar para promover sua pequena empresa. Eles incluem;

1. E-mail direto :

O e-mail direto refere-se à prática de enviar anúncios promocionais diretos e mensagens para a conta de e-mail do cliente. Geralmente, essas mensagens podem ser anúncios de grandes negócios, vendas ou mesmo ofertas especiais.

Eles podem ser usados ​​para espalhar notícias sobre novos serviços que sua empresa está oferecendo ou sobre os novos locais que ela pode servir.

Esses e-mails normalmente terão uma frase de chamariz incluída neles, que incentiva o consumidor a realizar algum tipo de

ação para receber ofertas promocionais oferecidas por uma determinada empresa. A chamada de ação pode incluir pedir ao visualizador para visitar a página inicial da sua empresa, inscrever-se em um serviço ou fazer uma ligação. Os e-mails diretos também têm como objetivo informar aos clientes o que está acontecendo em um determinado negócio.

2. E-mail de retenção:

Esses tipos de e-mail geralmente são projetados para informar os clientes sobre um negócio. São estratégias de marketing importantes, pois podem ajudá-lo a criar relacionamentos de longo prazo com os clientes. Apesar da retenção de e-mails que fornecem opções de propaganda e promoção; eles também podem oferecer conteúdo que pode ser muito valioso para os leitores.

Os e-mails de retenção possuem conteúdos que irão informar, envolver e entreter os leitores, para que sintam uma ligação com o negócio anunciado ou promovido.

A forma mais comum de retenção de e-mails usada nas técnicas de marketing por e-mail é o boletim informativo.

3. Propaganda direta por e-mail:

Esse é um tipo de estratégia de marketing por e-mail que permite a uma pessoa usar conteúdo criado por outra pessoa. Isso significa que, com esse tipo de marketing por e-mail, você pode anexar seu anúncio comercial a um boletim informativo ou e-mail criado por outra empresa. Vamos agora dar uma olhada em como o e-marketing pode beneficiar sua pequena empresa.

 

Texto por: Administradores | www.administradores.com.br

 

Leia mais
fbenevides 28 de janeiro de 2021 0 Comentários

Motivos para adotar o SEO como estratégia digital para uma empresa

Como o SEO é essencial para a estratégia digital de uma empresa.
As técnicas de SEO auxiliam o site de uma empresa a ter maior “conforto” com os algoritmos dos motores de busca.

O SEO (Search Engine Optimization ou Otimização dos Motores de Busca, no português) pode ser descrito como uma estratégia de Marketing Digital que engloba todas as demais estratégias digitais possíveis. Isso porque ela é a responsável por trabalhar a “afeição” de um site/aplicativo às regras dos algoritmos impostos pelos motores de busca online.

Ou seja, basicamente, quando um trabalho de SEO é bem feito, o conteúdo/site de uma empresa sobe organicamente nos índices dos motores de busca (como Google ou Bing, por exemplo). Assim, o usuário terá uma maior facilidade em buscá-lo, para sanar os problemas ou anseios para finalizar compras e/ou encontrar eventuais serviços.

Portanto, o SEO é um investimento de longo prazo, mas que carrega consigo credibilidade, confiabilidade e maior capacidade de prospecção de clientes. Afinal, quanto melhor posicionado no Google, melhor para ser encontrado, sobretudo quando estacionado na primeira página ocupando as primeiras posições de pesquisa. Para alcançar isto? Apenas com SEO.

 

Razões para implementar o SEO como estratégia digital

 

Se já não fosse o bastante a confiabilidade e a credibilidade atreladas às primeiras páginas do Google, o SEO é uma estratégia presente nas grandes marcas, que, quando combinadas a outras estratégias de marketing digital, impulsionam uma empresa, seja ela micro ou mega.

Aumento de tráfico e maior número de vendas

Depois de espalhar a credibilidade do produto que fornece ao público que o procura, você poderá finalizar a venda!

Isso ocorre porque a otimização de SEO pode trazer pessoas que realmente pretendem comprar o produto, pois estas pesquisam diretamente temas relacionados ou focados no serviço/produto oferecido.

Quando você tem em mente que tem mais visibilidade, você obtém mais vendas e, claro, fica mais motivado para produzir conteúdo de alta qualidade.

Melhora a experiência de usuário no site

Otimizar o site por meio de SEO pode tornar a navegação mais intuitiva.

Organize-o com mais eficiência e torne mais fácil para os usuários encontrarem o que desejam. Ele também permite que os mecanismos de pesquisa indexem com mais rapidez e encontrem as páginas mais relevantes com base nas pesquisas dos usuários.

Um site bem desenhado consegue melhorar sua usabilidade porque o SEO tem como objetivo proporcionar essa comodidade aos clientes quando eles acessam uma página de interesse.

Os números provam a necessidade do SEO em uma empresa

  • No Brasil, há mais de 210 milhões de habitantes, com mais de 126 milhões destes com acesso à Internet;
  • Mais de 92 milhões de visitas ao Facebook todos os meses;
  • Todos os dias, mais de 62 milhões de pessoas navegam nas redes sociais;
  • Cerca de 90% das pessoas que utilizam redes sociais navegam em dispositivos móveis;
  • O Google recebe cerca de 65 mil pesquisas por segundo no mecanismo de busca;
  • A maioria das pessoas gosta de conduzir pesquisas e obter resultados orgânicos. A chance de os usuários clicarem nos resultados da pesquisa natural é muito maior do que em anúncios pagos. O cliente sabe identificar sua empresa aparecendo no topo porque é bem solicitada, o que pode lhe dar mais confiança.

Texto por: Blasting Newa Brasil | www.br.blastingnews.com

Leia mais
fbenevides 11 de janeiro de 2021 0 Comentários

Marketing digital: 5 tendências para ficar de olho em 2021

Arthur Brognoli. Foto: divulgação

A pandemia provocou mudanças nos planejamentos em marketing digital e a tradicional análise de tendências para o mercado no ano a seguir tem um componente a mais para 2021.

As consequências emocionais e financeiras fizeram com que profissionais precisassem pensar seus planejamentos sob uma ótica particular, como a sucessão de um período atípico tanto para os negócios quanto na vida particular de seus possíveis clientes.

No marketing digital, o momento para o setor, principalmente no B2C, já deu seus sinais: segundo o estudo publicado pela CMO Survey em junho, feito a partir de levantamentos com profissionais de marketing, 84% dos consumidores se declararam mais abertos às experiências de comércio digital, mas 67,2% ressaltaram que pretendiam diminuir o volume de compras, sendo que 43,3% só consumiriam se houvesse alguma promoção ou abatimento de preços.

Ainda assim, o período de fim de ano, com Black Friday e compras de Natal, mostrou perspectivas de crescimento.

A Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) prevê um aumento de 18% no faturamento do e-commerce do ano em relação ao ano passado, com um volume financeiro superior a R$ 106 bilhões.

“É inegável que houve maior volume de experiências de clientes no digital, e esse é um caminho sem volta. A tendência é o mercado aproveitar esse crescimento e explorá-lo de forma mais efetiva, com ferramentas e soluções adequadas a estes novos perfis de consumidores”, analisa Arthur Brognoli, desenvolvedor de negócios da Clint, marketplace que intermedia empresas, ferramentas digitais, agências e consultores, para desenvolvimento de projetos e soluções digitais.

Abaixo, ele lista cinco tendências que profissionais do segmento e interessados em investir em marketing digital devem estar atentos para 2021:

ADAPTAÇÃO
É inegável que o contexto da pandemia mudou hábitos de consumo. As relações comerciais, especialmente com o digital, mudaram em definitivo. As vendas, geralmente focadas em períodos específicos ou para um público pré-definido, agora se tornaram mais usuais e dentro do cotidiano de um grupo maior de possíveis consumidores, principalmente para o B2C. Se esse público está inserido no mundo digital, é também no mundo digital que devemos alcançá-lo. Para isso a abrangência de uma estratégia de vendas deve ser maior, como nas redes sociais, mas com ações bem definidas para cada canal.

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL
Chatbots e atendentes virtuais são apenas o início das muitas possibilidades em que a inteligência artificial poderá atuar na relação com o consumidor. Esses recursos tornam a experiência do usuário cada dia mais otimizada, e a tecnologia tem tornado esses auxílios mais efetivos. Embora não sejam uma novidade, os recursos de IA vieram pra ficar, com processos de machine learning cada vez mais sofisticados e que tornam a interação mais precisa. São muitos benefícios, desde a geração de leads, a partir da coleta de dados, até a possibilidade de ter sua empresa em operação em tempo integral.

RELACIONAMENTO
Outra tendência que não chega a ser totalmente nova, mas que a cada ano tem suas possibilidades aumentadas: o marketing interativo. Adicionar elementos de contato direto em sites e redes sociais é agregar valor às visitas, além de poder ser uma fonte de retenção de dados. Tudo aquilo que torna a experiência mais personalizada traz um duplo benefício. O consumidor sente-se mais prestigiado, e como consequência a empresa terá como otimizar possíveis envios de ofertas e newsletters.

ABORDAGEM
O marketing de influência é uma tática bastante difundida e efetiva, mas há maneiras de aprimorá-lo. A tendência de especialistas é também investir nos chamados “micro influenciadores”, com seguidores mais fiéis e segmentados, ao invés de pensar em atingir um público muito amplo, pode-se focar em quem a taxa de conversão será mais efetiva. Isso torna mais fácil encontrar públicos-alvo, quem realmente está interessado em seu produto ou serviço. Um primeiro passo é entender quem são esses micro influenciadores em sua área de atuação e como eles abordam este público que lhe interessa.

RECURSOS VISUAIS
Fotos e vídeos têm grande apelo com o público e 2020 mostrou como recursos de imagens tendem a se reinventar constantemente. As lives foram grandes geradoras de conteúdo no ano, com grandes marcas apostando em programas de produção robusta na Black Friday, por exemplo. Também é um caminho sem volta: além do YouTube, do Instagram Live e do Facebook Live, para ficar nas plataformas mais usuais, até o LinkedIn tem possibilitado gerar esse tipo de conteúdo. É preciso entender a capacidade de identificação e a acessibilidade de cada uma delas, para saber em qual seu resultado será mais efetivo.

Texto por:  Economia SC | www.economiasc.com

Leia mais
fbenevides 11 de dezembro de 2020 0 Comentários

Live Rooms permite adicionar três convidados a uma Live no Instagram

As Live Rooms permitem que até três pessoas, além do criador, participem de uma transmissão. Imagem: Instagram

O Instagram fez uma modificação no recurso Live Rooms, que agora permite que até três outras pessoas, além do criador, participem de uma transmissão ao vivo. Anteriormente o criador podia adicionar apenas um convidado.

O recurso foi inicialmente testado com alguns criadores de conteúdo do Instagram na Índia, e recebeu elogios. Segundo a empresa a novidade logo estará disponível a todos os usuários na Índia e Indonésia. Não há informações sobre quando ele estará disponível em outras regiões do mundo.

“Com a capacidade de estar ao vivo com até três convidados, os criadores têm mais oportunidades para ter conversas com suas comunidades, e para expandir seu alcance e possibilidades de uso das ‘Lives’”, diz o Instagram.

 

Nova interface do Instagram

Em meados de novembro a interface do Instagram sofreu mudanças: os atalhos para criar posts e ver curtidas, na barra no rodapé da tela, foram substituídos pelos ícones do Reels e Loja.

“Estamos lançando a aba Reels para ser uma espécie de palco, um lugar onde as pessoas podem compartilhar sua criatividade com o mundo e ter a chance de serem descobertas por uma nova audiência”, disse Adam Mosseri, líder global do Instagram, em comunicado à imprensa.

Já a guia Loja estabelece o recurso como prioridade na plataforma, fornecendo mais um canal para que os usuários se conectem às marcas e produtos anunciados pelos influenciadores.

A novidade vai facilitar o acesso a recomendações personalizadas, escolhas dos editores selecionadas pelo perfil oficial @shop, vídeos com opções de compras e novas coleções de produtos, entre outros.

Adam Mosseri, líder global do Instagram, diz estar animado com o novo design por acreditar que ele traz uma renovação importante ao aplicativo, mas sem perder a essência da simplicidade.

“Faz bastante tempo que não atualizamos a tela inicial do Instagram de maneira tão significativa, mas a forma como as pessoas criam e consomem a cultura mudou, e nosso maior risco não é mudarmos muito rapidamente, mas não mudarmos e nos tornarmos irrelevantes”, completa.

Leia mais
fbenevides 1 de dezembro de 2020 0 Comentários

PIX como funciona?

Pagamentos instantâneos são as transferências monetárias eletrônicas na qual a transmissão da ordem de pagamento e a disponibilidade de fundos para o usuário recebedor ocorre em tempo real e cujo serviço está disponível durante 24 horas por dia, sete dias por semana e em todos os dias no ano. As transferências ocorrem diretamente da conta do usuário pagador para a conta do usuário recebedor, sem a necessidade de intermediários, o que propicia custos de transação menores.

No Brasil se chamará Pix, marca única, criada pelo Banco Central, lançada em coletiva à imprensa em fevereiro de 2020, clique aqui para assistir.

 

O Pix estará disponível para a população brasileira a partir de novembro de 2020. Além de aumentar a velocidade em que pagamentos ou transferências são feitos e recebidos, tem o potencial de alavancar a competitividade e a eficiência do mercado; baixar o custo, aumentar a segurança e aprimorar a experiência dos clientes; promover a inclusão financeira e preencher uma série de lacunas existentes na cesta de instrumentos de pagamentos disponíveis atualmente à população. Em linha com a revolução tecnológica em curso, possibilita a inovação e o surgimento de novos modelos de negócio e a redução do custo social relacionada ao uso de instrumentos baseados em papel.

Atuação do BC

O BC está liderando o processo de implantação do ecossistema de pagamentos instantâneos brasileiro, que está sendo construído de forma participativa, envolvendo a interlocução com diversos agentes do mercado. O principal objetivo do BC com essa ação é aumentar a eficiência e a competitividade do mercado de pagamentos de varejo no Brasil, por meio da criação de um novo meio de pagamento que ajudará no processo de eletronização do mercado brasileiro.

Desde a publicação do Relatório de Vigilância do Sistema de Pagamentos Brasileiro 2013, o BC vem incentivando o desenvolvimento de um arranjo de pagamentos, de amplo acesso, que possibilite a realização de pagamentos instantâneos. Em 2018, o BC decidiu liderar essa construção. O passo inicial foi a criação de grupo de trabalho específico, com participação do BC e de agentes do mercado, denominado GT Pagamentos Instantâneos. O GT encerrou seus trabalhos no dia 21 de dezembro de 2018, com a divulgação do Comunicado nº 32.927 e do documento com os requisitos fundamentais para o ecossistema de pagamentos instantâneos brasileiro.

De forma a dar continuidade à interação com os agentes de mercado e com potenciais usuários, o BC instituiu o Fórum para assuntos relacionados a pagamentos instantâneos no âmbito do SPB – Fórum Pix, que conta com cerca de 220 instituições participantes. Consistindo em um comitê consultivo permanente, o Fórum Pix tem como objetivo subsidiar o BC em seu papel de definidor das regras de funcionamento do ecossistema de pagamentos instantâneos. Existem quatro grupos de trabalho temáticos no âmbito do Fórum Pix: GT Negócios, GT Padronização e Requisitos Técnicos, GT Mensagens PI e GT Segurança. O Fórum Pix é uma estrutura de governança permanente, que continuará existindo mesmo após o lançamento do Pix e que buscará o aprimoramento contínuo das soluções, sempre com foco na manutenção de um ambiente eficiente, competitivo, seguro e inclusivo.

Em agosto de 2019, o BC atualizou os requisitos fundamentais para o ecossistema de pagamentos instantâneos brasileiro, com a divulgação do Comunicado n° 34.085. O ecossistema de pagamentos instantâneos brasileiro será formado pelo arranjo aberto instituído pelo BC (Pix), pelos prestadores de serviços de pagamento participantes do arranjo (instituições financeiras e instituições de pagamento), pela plataforma única que fará a liquidação das transações realizadas entre diferentes instituições participantes (SPI) e pelo diretório de identificadores de contas transacionais que armazenará as informações das chaves ou apelidos que servem para identificar as contas dos usuários recebedores (DICT). Tanto o SPI, quanto o DICT, serão desenvolvidos, operados e geridos pelo BC e funcionarão 24 horas por dia, sete dias por semana e em todos os dias do ano. O SPI, à semelhança de plataformas similares de outras jurisdições, terá arquitetura centralizada, com comunicação via mensageria, que será baseada no padrão internacional ISO 20022. Com o avanço do desenvolvimento do SPI, o BC divulgou por meio do Comunicado n° 34.836, em dezembro de 2019, o cronograma de disponibilização de ambiente de homologação e os critérios de participação nos testes para fins de liquidação de pagamentos instantâneos.

A construção do ecossistema de pagamentos instantâneos brasileiro faz parte da Agenda BC# na dimensão Competitividade

O Pix chegando ao cidadão

As ações abaixo tiveram como objetivo fazer com que esse novo meio de pagamento seja ofertado aos clientes finais, pagadores e recebedores, aumentando as alternativas de escolha da população. O Pix, inserido em um ambiente aberto, competitivo e seguro, poderá apoiar no processo de eletronização dos pagamentos, aumentar a eficiência no mercado de pagamentos de varejo e viabilizar o desenvolvimento de soluções focadas na experiência do cliente.

Definição de marca única

A existência de uma marca única é imprescindível para que os usuários (pagadores e recebedores) identifiquem esse novo meio de realizar pagamentos e transferências de uma forma clara e inequívoca. A identidade visual facilitará o entendimento e a adoção do instrumento. As marcas individuais que representam cada um dos prestadores de serviços de pagamento (instituições financeiras e de pagamento) poderão ser dispostas juntamente com a marca Pix, na forma e nas condições que serão oportunamente divulgadas no regulamento do Pix e documentos anexos.

Recolhimentos de taxas federais desde o lançamento do Pix

A celebração de acordo de cooperação técnica entre o BC e a União, por intermédio da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) do Ministério da Economia, viabilizará que cidadãos brasileiros possam fazer seus recolhimentos à União de uma forma muito mais simples e rápida, melhorando bastante a experiência atual. Do ponto de vista do Pix, a entrada do Tesouro Nacional logo no seu lançamento, em novembro de 2020, é fundamental para que a população brasileira possa ter, desde o início, a opção de pagar uma taxa governamental via Pix, com benefícios de competição, redução de custos e de melhoria na experiência do cidadão. Inúmeros são os objetivos públicos potencialmente alcançados, com nítidos ganhos ao cidadão brasileiro.

Estabelecimento de critérios de participação no Pix

O BC estabeleceu, por intermédio da Resolução nº1, os critérios e modalidades de participação no Pix e no Diretório de Identificadores de Contas Transacionais (DICT), e por meio da Circular 4.027 as regras para a plataforma de liquidação financeira do Pix (SPI).

Todas as instituições financeiras e instituições de pagamento com mais de 500 mil contas de clientes ativas, considerando as contas de depósito à vista, as contas de depósito de poupança e as contas de pagamento pré-pagas, serão obrigadas a participar do Pix, ofertando a seus clientes todas as suas funcionalidades de iniciação e de recebimento de pagamentos. As demais instituições financeiras e de pagamento, mesmo aquelas que ainda não atingiram os limites para requerer autorização de funcionamento como instituição de pagamento, poderão, de forma facultativa, participar do Pix desde o seu lançamento.

Processo de adesão para participação no Pix

O processo de adesão ao Pix, regulamentado pelas Cartas Circulares nrs. 4006/2020, 4022/2020, 4.055/2020 e 4.056/2020, engloba duas etapas:

a. etapa cadastral; e

b. etapa homologatória.

A efetiva participação no Pix, por ocasião de seu lançamento, requer o cumprimento, com sucesso, de ambas as etapas.

A etapa cadastral(1)(2) consiste nos requisitos:

  • (Todos) Envio de informações cadastrais (Acesse aqui o Formulário de solicitação de cadastro para adesão ao Pix a ser enviado para o e-mail pix@bcb.gov.br);
  • (Instituições não autorizadas) Envio de declaração, firmada pelo participante responsável, que ateste: Capacidade técnica e operacional e Capital mínimo requerido; e do Contrato firmado com o participante responsável (a serem enviados via Protocolo Digital).

(1) O BC se reserva ao direito de exigir informações e documentos complementares a qualquer tempo para cumprimento dessa etapa.

(2) A conclusão da etapa cadastral implica o compromisso de adesão às regras, à condições e aos procedimentos a serem estabelecidos no Regulamento do Pix.

A etapa homologatória consiste nos requisitos:

  • (Participantes diretos no SPI) Cumprimento do plano de testes no SPI e no DICT;
  • (Participantes indiretos no SPI) Cumprimento dos testes junto ao seu liquidante e no cumprimento por parte do liquidante do plano de testes no SPI e no DICT;
  • (Todos) Avaliação de aderência de soluções aos requisitos mínimos para a experiência do usuário.
A etapa homologatória teve início em 1º de junho de 2020 e seus requisitos seguirão cronograma e forma descritos nas Carta Circulares nrs. 4.055/2020 e 4.056/2020. A visualização esquemática resumida dos requisitos relativos ao DICT e à aderência de soluções pode ser acessada aqui.
Novas adesões para participação no Pix estarão disponíveis de forma permanente a partir de 1º de dezembro de 2020.
Para conferir a lista de instituições que estão em processo de adesão ao Pix, clique aqui.

Participação nas plataformas operacionais

Participação na plataforma de liquidação – SPI

As modalidades de participação no SPI são duas: participantes diretos, que são aqueles que farão a liquidação das transações diretamente no SPI; e participantes indiretos, cujas transações serão liquidadas por intermédio de um participante direto. Bancos comerciais, bancos múltiplos com carteira comercial e caixas econômicas que sejam participantes do Pix deverão obrigatoriamente ser participantes diretos do SPI. As demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central que sejam participantes do Pix podem optar em ser participantes diretos ou indiretos do SPI. Importante destacar que as instituições de pagamento sem autorização para funcionamento que sejam participantes do Pix devem necessariamente ser participantes indiretos do SPI.

Participação no diretório de informações de contas transacionais para iniciação de pagamentos – DICT

Todas as instituições que sejam participantes diretas do SPI também deverão acessar o DICT de forma direta.

Experiência do cliente

Os pagamentos instantâneos estão sendo desenhados com diversos objetivos, dentre eles o de aprimorar a experiência de pagamento dos usuários, tanto pagadores quanto recebedores.

Do ponto de vista dos usuários pagadores, o objetivo é construir soluções que permitam que a realização de um pagamento instantâneo seja tão fácil, simples, intuitiva e rápida quanto realizar um pagamento com dinheiro em espécie. Para tanto, os pagadores poderão iniciar pagamentos por pelo menos três formas diferentes:

  1. por meio da utilização de chaves ou apelidos para a identificação da conta transacional, como o número do telefone celular, o CPF, o CNPJ ou um endereço de e-mail;
  2. por meio de QR Code (estático ou dinâmico); ou
  3. por meio de tecnologias que permitam a troca de informações por aproximação, como a tecnologia near-field communication (NFC).

A utilização de chaves ou apelidos facilitará o processo de iniciação do pagamento comparativamente ao modelo existente hoje para a TED e para o DOC, em que é necessária a inserção de diversos dados do usuário recebedor, como o CPF ou o CNPJ, a identificação da instituição na qual o recebedor possui uma conta, o número da agência, o tipo da conta e o número da conta.

Alternativamente, o pagamento poderá ser iniciado a partir da leitura de um QR Code apresentado pelo usuário recebedor. O padrão de QR Code será estabelecido com o objetivo de permitir que sua leitura seja realizada a partir de qualquer tipo de smartphone, inclusive os mais simples. No futuro, os pagamentos também poderão ser iniciados a partir da leitura, pelo usuário recebedor, de QR Code gerado pelo próprio usuário pagador. Cada recebedor poderá escolher livremente qual ou quais tipos de iniciação de pagamento instantâneo ele irá aceitar.

Os QR Codes utilizados no âmbito do Pix seguem o padrão BR Code, estabelecido pelo Banco Central do Brasil por meio da Circular nº 3.989/2020. Mais informações sobre o BR Code estão disponíveis aqui.

Do ponto de vista dos usuários recebedores, espera-se que a diminuição do número de intermediários na cadeia de pagamentos leve a um custo de aceitação menor que os demais meios eletrônicos. Além do menor custo, a disponibilização imediata dos recursos otimizará a gestão do fluxo de caixa dos usuários recebedores, o que tenderá a reduzir sua necessidade de crédito. Outro benefício é a facilidade de automatização e de conciliação dos pagamentos. As informações agregadas, que cursarão junto com a ordem de pagamento, permitirão o desenvolvimento de soluções tecnológicas que integrem os sistemas dos usuários recebedores, notadamente empresas, automatizando, facilitando e dando mais agilidade aos processos.

Leia mais
fbenevides 9 de outubro de 2020 0 Comentários

WhatsApp: agora você conversa com empresas sem salvar o número

O WhatsApp está lançando hoje (09) duas novidades importantes para quem usa o app para se comunicar com empresas. Agora será possível iniciar uma conversa com uma empresa por meio de um QR Code, sem a necessidade de salvar o número de telefone delas nos seus contatos. Além disso, também será possível conferir o catálogo de produtos desse negócio através do mensageiro.

O código QR funciona como a porta de entrada digital de uma empresa facilitando o primeiro contato de um cliente. No passado, ao encontrar empresas de seu interesse, as pessoas precisavam adicionar manualmente o número de telefone de cada uma delas às suas listas de contatos. Agora basta escanear o código QR na vitrine de uma loja, em uma embalagem ou em um recibo para iniciar uma conversa com uma empresa no WhatsApp.

Ao escanear um código QR, o usuário verá uma mensagem predefinida pela empresa para que ele possa iniciar a conversa no WhatsApp. A partir de hoje, o recurso de código QR está disponível para empresas do mundo todo que usam o app WhatsApp Business e a API do WhatsApp Business.

whatsapp

Compartilhar de produtos e serviços

Com o catálogo, as empresas podem exibir e compartilhar os produtos e os serviços que oferecem, o que pode ajudá-las a concluir vendas. Desde seu lançamento no ano passado, o recurso tornou-se uma das maneiras mais populares de interação entre clientes e empresas no WhatsApp. Prova disso é que, todos os meses, mais de 40 milhões de pessoas visualizam os catálogos de empresas no WhatsApp.

Para que as pessoas possam descobrir produtos e serviços com ainda mais facilidade, as empresas agora podem compartilhar os links do catálogo e de itens individuais em sites, no Facebook, no Instagram e em outras plataformas. Além disso, os clientes também podem compartilhar os links do catálogo ou de itens com amigos e familiares por meio do WhatsApp ou por outras plataformas.

Os links do catálogo já estão disponíveis para os usuários do WhatsApp Business em todo o mundo.

Leia mais
fbenevides 9 de julho de 2020 0 Comentários

Novos requisitos para o Instagram Shopping: como ajudar mais empresas e criadores de conteúdo a vender

Foram anunciados os novos requisitos de qualificação para o Instagram Shopping. O objetivo com essa mudança é expandir o acesso ao recurso de compras para mais tipos de empresas e marcas, incluindo criadores de conteúdo que desejam se conectar com compradores e vender mercadorias no Instagram.

A partir dessa mudança, qualquer empresa ou conta de criador de conteúdo qualificada – seja ela de uma marca de velas, de um música ou de um blogueiro de gastronomia –, com pelo menos um produto registrado, poderá usar as tags de preço para levar as pessoas a seu site para comprar. Nos EUA, essas mesmas empresas que estão participando da fase beta do checkout no Instagram também poderão levar as pessoas a comprar diretamente no aplicativo.

Os requisitos atualizados entram em vigor em 9 de julho em todos os países onde o recurso Instagram Shopping é aceito. Haverá maior transparência para pessoas e empresas, bem como uma experiência de compra mais confiável.

Com essas novas políticas e novos critérios de qualificação, as empresas devem marcar produtos no Instagram levando para um único site de sua propriedade. Assim, as pessoas terão uma experiência de compra consistente e confiável. Além disso, atualizaremos nosso fluxo de cadastro para dar orientações mais claras às marcas e mais transparência nos tipos de empresas que estamos mais aptos a apoiar, como criadores de conteúdo que desejam expandir os negócios no Instagram.

Quando as empresas se cadastrarem no Instagram Shopping, elas serão notificadas assim que aprovadas e estarão prontas para começar a marcar produtos. Se uma empresa não for aprovada, explicaremos o motivo para que ela possa tomar as medidas necessárias ou fazer uma apelação.

Novas empresas passarão por nosso fluxo de integração atualizado. As empresas que já estiverem cadastradas no Shopping receberão uma notificação no aplicativo nas próximas semanas com instruções sobre como entrar em conformidade, se necessário.

Os critérios atualizados de qualificação para o Instagram Shopping estão disponíveis em nossa Central de Ajuda. No futuro, esses requisitos serão aplicados a todas as empresas que vendem produtos nas plataformas de venda do Facebook.

Para saber mais sobre como ativar o Instagram Shopping, visite o guia de configuração do Instagram.

Leia mais
fbenevides 7 de julho de 2020 0 Comentários