fbpx

Velha discussão: Lojas virtuais podem acabar com Lojas físicas ?

Mais de 20 milhões de brasileiros descobriram o e-commerce no último ano. Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) houve um crescimento de 68% no setor, R$ 126,3 bilhões em faturamento e mais de 300 milhões de pedidos. Com isso, fica o questionamento: as lojas virtuais vão “matar” as lojas físicas?

É inegável o boom das compras feitas no e-commerce, mas as compras via lojas físicas ainda são predominantes, ao menos no Brasil – na China, durante a pandemia, o e-commerce superou os concorrentes físicos pela primeira vez na história.

Segundo Yan Cericatto, Diretor de Operações da BW Commerce, o crescimento do e-commerce deve-se muito à aceleração da migração dos consumidores para o digital, como consequência do contexto da pandemia. Diante deste cenário, muitas empresas que não estavam presentes no e-commerce, encontraram uma oportunidade de manter suas operações.

A resposta definitiva só teremos nos próximos anos. O que existe atualmente são estudos, tendências e análises especializadas que apontam que o futuro é cada vez mais virtual, mas há cautela ao prever o fim dos estabelecimentos varejistas.

O declínio das lojas físicas

Desde 2008, os Estados Unidos já vinha enfrentando um declínio de seus malls (como são chamados os shopping centers por lá). No fim de 2019, houve recorde de vacância neste tipo de estabelecimento, segundo números divulgados pela Reis Moody’s Analytics.

A Fast Company já dá como certa a decadência desses espaços. As sucessivas crises – 2008, 2015 e 2020 – fizeram o consumo diminuir, e as lojas de departamento, que ancoram os shopping centers, perderam faturamento, fazendo com que elas se retirassem das cidades pequenas e médias.

Com a pandemia de Covid-19 e as medidas de isolamento, que tornaram inviável a permanência de milhares de pessoas em um ambiente fechado, o processo pode se acelerar. Um relatório do banco Credit Suisse datado de 2017 já previa que um quarto deste tipo de estabelecimento fecharia em 2022.

De acordo com a ABComm, o Brasil registrou 107 mil lojas virtuais abertas entre 23 de março e 31 de abril do ano passado. No entanto, dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) apontam que 75 mil estabelecimentos comerciais fecharam as portas em 2020.

O que explica este cenário é, principalmente, o impacto da pandemia e a força do e-commerce.

De um lado, houve recuo das vendas físicas, principalmente no início da pandemia, quando o isolamento social atingiu índices de 47%. O receio de novas restrições para conter a circulação do vírus também preocupa o comércio varejista tradicional. Do outro, houve uma necessidade de migrar para o online para sobreviver à crise, atendendo à crescente demanda no digital.

Em paralelo, mais um dado que contribui para dar dimensão do crescimento do e-commerce: em 2020, só a B2W, dona das marcas Submarino, Americanas.com e Shoptime, viu a sua receita líquida avançar 52%, e o volume total que foi movimentado nos sites, saltou 47,6% (R$ 27,7 bilhões). Seus concorrentes diretos, Mercado Livre e Magalu, tiveram desempenho ainda melhor.

O futuro é multicanal

Embora cada vez mais completa, a experiência de adquirir um bem pela internet é completamente diferente de fazer uma visita à loja física, mas cada uma tem suas vantagens. Por isso, sairão na frente os varejistas que forem capazes de atrelar os canais virtuais e presenciais.

Este fenômeno já está acontecendo. Um estudo da ABComm e outro da Ebit/Nielsen concluíram que empresas tradicionais do varejo, como Casas Bahia, vendem mais na internet do que as que nasceram totalmente digitais, como a Netshoes.

Ou seja, as lojas tradicionais são complementares às plataformas de e-commerce e não devem ser consideradas concorrentes.

Ainda para Yan, a verdade é que o novo consumidor prioriza facilidade em informações referentes à marca, produto ou serviço que buscam. Por isso, as empresas que entenderem a importância de ser Phygital (ou figital, ou seja física e digital), poderão proporcionar uma experiência de compra única, independente da origem.

Não é à toa que até mesmo marcas que estrategicamente estavam fora dos canais digitais, como as premium, estão investindo no online. A Michael Kors, por exemplo, que antes só operava nos mais luxuosos shoppings das grandes cidades do país, inaugurou seu primeiro e-commerce para o Brasil e América Latina em 2021.

As operações nas lojas físicas já começaram a ser repensadas. As lojas de departamento, por exemplo, têm oferecido opções mais dinâmicas e interativas a seus clientes. Agora é possível conferir uma informação sobre o produto a partir de um QR Code presente na etiqueta, comprar pelo site e retirar o item no estabelecimento mais próximo e até mesmo comprar um produto online em totens instalados dentro da loja física.

Estes são alguns exemplos que mostram que as lojas físicas não vão desaparecer. O consumidor ainda vai conseguir “dar só uma olhadinha” nos itens à disposição.

A novidade é o modelo híbrido na hora de concretizar as compras. Com as pesquisas feitas in loco, o cliente terá muito mais segurança para sacar o smartphone do bolso, por exemplo, e efetuar a compra no varejista online que melhor atende às suas necessidades.

Texto por: Móveis de Valor | www.moveisdevalor.com.br

Leia mais
fbenevides 21 de maio de 2021 0 Comentários

Número de mulheres que empreendem cresce 40% durante a pandemia

As mulheres empreendedoras já somam mais de 30 milhões no Brasil, de acordo com a Global Entrepreneurship Monitor, o que representa 48,7% do mercado empreendedor, e na Bahia a porcentagem de mulheres donas de negócios é de 31%, segundo dados do Sebrae-BA. Alcançar tal número marcante deixa mais evidente o quanto amanhã, Dia Internacional da Mulher, deve ir além das homenagens. O 8 de março chega com inspirações e um lembrete para as mulheres que duvidam se devem investir em suas ideias. Elas devem e podem ir com tudo.

“Esses números mostram o papel importante que a mulher tem na economia. Cerca de 44% delas são chefes de família e 85% são responsáveis pela decisão de compra dentro do lar. Isso é força de trabalho e de consumo. O papel de coadjuvante na economia não nos cabe mais, já somos protagonistas, o que nos falta é representatividade dentro do governo para que mais políticas públicas sejam feitas a nosso favor”, explica Rosemma Maluf, vice-presidente da Associação Comercial da Bahia (ACB).

Só no último ano o empreendedorismo feminino cresceu em 40%, segundo dados da Rede Mulher Empreendedora. Porém esse crescimento durante a pandemia possui um lado negativo por ser, em grande parte, um empreendedorismo por necessidade e não oportunidade. A dupla jornada ainda está presente, então muitas mulheres abrem negócios menores que geram renda, mas que são conciliáveis com os cuidados de casa. Para Karine Oliveira, fundadora da Wakanda Educação Empreendedora (@wakanda_educacao), o aumento das empreendedoras por necessidade é resultado das demissões em massa, já que as mulheres são as primeiras a ser demitidas e as últimas a sair do desemprego.

“Gestoras naturais”

“Cerca de 90% de nosso quadro de clientes é composto por mulheres, em sua maioria negras, que precisam que o negócio dê certo, pois a família depende dessa renda, e isso só se agravou na pandemia. Por isso buscamos mostrar que elas, que cresceram aprendendo a lidar e a conduzir a família, são gestoras naturais. E quando empreendem, usam tudo isso a seu bel-prazer. Muitas já são empreendedoras, apenas nunca consideraram se intitular assim”, ela explica.

A Wakanda, uma empresa que traduz conteúdos do empreendedorismo tradicional para a linguagem informal e regional, permitindo o acesso e fortalecimento de negócios periféricos e por necessidade, funcionava apenas no modo presencial e a pandemia expôs a falta de presença online da empresa, que precisou entender a importância do digital e mostrar isso aos clientes, que também não tinham afinidade com o meio.

E essa mudança no modelo de negócio e na forma de atuação foram os principais pontos de destaque para as empresas lideradas por mulheres desde o início da pandemia, afirma Mariana Cruz, gestora de projeto de empreendedorismo feminino do Sebrae. “Elas estão sabendo se adaptar mais rapidamente e eficientemente aos novos contexto e comportamentos dos consumidores”. E quem bem sabe disso é a empreendedora Camila Reis, proprietária da Óleos da Mi (@oleosdami), empresa especializada em óleos e manteigas vegetais criada em 2014.

A empresa nasceu sem grandes pretensões, mas hoje já possui loja física e virtual, atendendo a todo o país. A adaptação da produção e na logística foram rápidas na pandemia, mas Camila Reis explica que o faturamento não se deve apenas ao produto, mas também pela postura. A empreendedora se usava como exemplo para tentar atender às necessidades das clientes: mulheres que, assim como ela, estavam em casa, mas que gostariam de ter momentos de autocuidado.

“O momento, apesar de desfavorável financeiramente, não é de lucro, mas de procurar fornecer ajuda e compreensão. Criamos lives com uma psicóloga para auxiliar nas emoções, conversas livres para gerar diálogo e suporte para o uso dos produtos. O crescimento foi consequência da empatia, e, como a empresa contribuiu para minha renda, percebi que ela poderia fazer o mesmo por outras mulheres, principalmente as trans e mães solo. Por isso, agora em 2021, estamos estruturando treinamentos para um sistema de revenda onde essas mulheres irão desenvolver habilidades que poderão usar para a vida”, conta a empreendedora.

Rede de acolhimento

“Por isso acredito que essa rede de acolhimento feminino é uma das grandes responsáveis pelo crescimento de 40% de mulheres empreendedoras. E acontece de forma natural por quem já empreendia, entende e tem total empatia por aquelas que estão começando”, afirma a fotógrafa Lane Silva (@lanesilvafotografia), que precisou bolar um plano de ação não apenas para pagar as contas na pandemia, mas também para comprar um computador novo, um dos instrumentos essenciais em seu trabalho e que quebrou logo depois do coronavírus chegar ao país.

Com planejamento e divulgação, os trabalhos continuaram aparecendo, e Lane Silva conta que iniciou 2021 com atualizações em seus serviços – fotografia de estúdio, cobertura de eventos e até álbuns e revelações de fotos – e já começou a colocar em prática. “Passar pela pandemia é um processo doloroso, mas espero que este ano seja de caminhos abertos para todos que vivem de seu corre, dia após dia conquistando espaço e, claro, vivendo daquilo que gosta”, conta.

Texto por: A Tarde | www.atarde.uol.com.br

Leia mais
fbenevides 9 de março de 2021 0 Comentários