fbpx
AI nuclear energy background, future innovation of disruptive te

Estudo propõe sistema de Inteligência Artificial capaz de reconhecer os estados emocionais do usuário

Campo em rápido e constante desenvolvimento, a tecnologia de reconhecimento de fala e linguagem levou, por exemplo, ao surgimento de dispositivos como as assistentes virtuais Alexa e Siri. Um passo importante na evolução de sistemas de Inteligência Artificial (IA) de diálogo, como esses, é a adição de “inteligência emocional”, ou seja, a capacidade de reconhecer os estados psicológicos de quem os acessa. 

 

Sistemas de Inteligência Artificial (IA) com capacidade para reconhecer os estados emocionais dos usuários podem ajudar a detectar doenças e a mudar abordagem de ensino. Imagem: fizkes – Shutterstock

 

Um sistema com essa característica, além de entender a linguagem, geraria uma resposta mais empática, proporcionando uma experiência mais imersiva para o usuário. Conhecido como “análise de sentimento multimodal”, um grupo de métodos que constituem o padrão-ouro para um sistema de diálogo de IA pode conseguir detectar as emoções.  

Esses métodos são capazes de analisar automaticamente o estado psicológico de uma pessoa a partir de sua fala, tom de voz, expressão facial e postura e são cruciais para sistemas de IA centrados no ser humano.

De acordo com o site Techxplore, a técnica poderia potencialmente criar uma IA emocionalmente inteligente com capacidades além do ser humano, que entende o sentimento do usuário e gera uma resposta de acordo.

No entanto, os métodos atuais de estimativa de emoções se concentram apenas em informações observáveis e não explicam as informações presentes em sinais não observáveis, como os fisiológicos. Tais sinais são uma potencial mina de ouro de emoções que poderiam melhorar imensamente o desempenho de estimação de sentimentos. 

 

Pesquisadores japoneses testam sistema de IA capaz de identificar sinais fisiológicos

Em um novo estudo, publicado este mês na revista IEEE Transactions on Affective Computing, sinais fisiológicos foram adicionados à análise de sentimento multimodal pela primeira vez por pesquisadores do Japão. A equipe colaborativa responsável pela nova abordagem é composta por Shogo Okada, professor associado do Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia do Japão (JAIST), e Kazunori Komatani, professor do Instituto de Pesquisa Científica e Industrial da Universidade de Osaka.  

“Os humanos são muito bons em esconder seus sentimentos. O estado emocional interno de um usuário nem sempre é refletido com precisão pelo conteúdo do diálogo, mas como é difícil para uma pessoa controlar conscientemente seus sinais biológicos, como a frequência cardíaca, pode ser útil usá-los para estimar seu estado emocional. Isso poderia fazer uma IA com capacidades de estimativa de sentimento que estão além do ser humano”, explica Okada. 

A equipe analisou 2.468 interações com uma IA de diálogo, obtidas de 26 participantes, para estimar o nível de prazer experimentado pelo usuário durante a conversa. O usuário foi então solicitado a avaliar o quão agradável ou entediante eles acharam a conversa. A equipe usou o conjunto de dados de diálogo multimodal chamado “Hazumi1911”, que combinou exclusivamente reconhecimento de fala, sensores de tom de voz, expressão facial e detecção de postura com potencial elétrico da pele, uma forma de sensoriamento de resposta fisiológica.

“Ao comparar todas as fontes separadas de dados, as informações dos sinais biológicos mostraram-se mais eficazes do que a expressão de voz e facial”, disse Okada. “Quando combinamos as informações da linguagem com informações de sinais biológicos para estimar o estado interno autoavaliado enquanto conversamos com o sistema, o desempenho da IA tornou-se comparável ao de um humano”.

Essas descobertas sugerem que a detecção de sinais fisiológicos em humanos, que normalmente permanecem escondidos de nossa visão, poderia abrir caminho para sistemas de diálogo altamente sensíveis baseados em IA, tornando mais naturais e satisfatórias interações homem-máquina.

Além disso, sistemas de IA emocionalmente inteligentes poderiam ajudar a identificar e monitorar transtornos mentais, sentindo uma mudança nos estados emocionais diários. Eles também poderiam ser úteis na educação, ao avaliar se um aluno está interessado e animado com um tema de discussão, ou entediado, levando a mudanças na estratégia de ensino e serviços educacionais mais eficientes.

 

Texto por: Olhar Digital | www.olhardigital.com.br

 

Leia mais
fbenevides 1 de abril de 2022 0 Comentários
Businesswoman networking using digital devices

Como fica a transformação digital no pós-pandemia?

Quantas pessoas passaram a realizar compras online durante a pandemia? Quantas condomínios investiram em portarias remotas? E quantas recepções passaram a atender às pessoas através de totens de autoatendimento com leitura facial integrada? O fato é que a pandemia surpreendeu a todos e, para se adaptar às restrições necessárias, a sociedade se apoiou na tecnologia enquanto esperava a imunização. A vacina chegou, mas este legado tecnológico continua e, ao que tudo indica, se tornará o ponto de partida para uma sociedade conectada.

Há tempos entramos na era digital, mas é inegável que a realidade do isolamento nos obrigou a abrir espaço para conexões digitais no trabalho, na escola, nos bancos, no mercado corporativo. Estas soluções não são invenções recentes, mas frutos do ecossistema de inovação que possibilitou uma telecomunicação cada vez mais veloz, resoluções de câmeras cada vez mais potentes e analíticos de vídeo que ajudaram a reconhecer pessoas mesmo com as máscaras.

Agora, quase que simultâneo à vacinação, o leilão do 5G abriu um novo capítulo na história das empresas de tecnologia brasileiras. Além das novas soluções que dobram a esquina, a 5ª geração da internet tornará as soluções que formam este legado construído nos últimos dois anos ainda mais abrangentes e importantes para a operação logística, de segurança, atendimento de residências, condomínios e empresas, seja em áreas urbanas ou no campo.

Além das altas velocidades, a queda na taxa de latência que o 5G oferece, possibilitará a exploração total da capacidade de sistemas e operações que exigem respostas de comando em tempo real, por exemplo. O uso da inteligência artificial também será privilegiado e deve facilitar a integração de aplicações em locais remotos, onde antes o custo de infraestrutura necessário para a operação inviabilizava quaisquer projetos.

Aliado a isso, espera-se que haja mudanças significativas no cenário do e-commerce e no comércio presencial, com a popularização de equipamentos de autoatendimento, assim como cada vez mais redes focadas em autosserviço, estabelecimentos em que a presença física de funcionários trabalhando em tempo integral se torna desnecessária. Nesse sentido, o emprego de softwares de monitoramento será preponderante para viabilizar este tipo de comércio.

Outra grande mudança será a utilização de controles de acesso com reconhecimento facial ou reconhecimento de íris, trazendo à tona o uso em série das soluções touchless que foram amplamente abordadas durante a pandemia, uma vez que as superfícies de contato se tornaram ameaças à saúde. Agora, esta tendência ganha força não mais pelo medo do contágio, mas pelas camadas adicionais de segurança que oferecem. Assim, caminhamos em direção às cidades inteligentes e integradas.

Rogério Camargo, CEO da Alarmtek.

 

Texto por: TI Inside | www.tiinside.com.br

Leia mais
fbenevides 25 de março de 2022 0 Comentários
Businessman working on tablet in cafe

Setor da Tecnologia da Informação cresce no Brasil de forma consistente desde maio de 2020

A máscara no rosto e o álcool nas mãos foram os hábitos mais visíveis, incentivados pela pandemia. Mas existem outros, que devem ficar por mais tempo e que já mexem com a saúde – da nossa economia.

Nos primeiros meses, a Covid obrigou muita gente a ficar em casa. O setor de serviços de tecnologia sentiu um pouco as restrições de funcionamento das empresas. Mas não demorou para elas se adaptarem ao home office nem para os consumidores aprenderem a trabalhar, estudar, até fazer reuniões e comprar pela internet. A partir daí, o crescimento veio mês a mês.

“Tecnologia da Informação vem crescendo de uma maneira consistente de maio de 2020 até agora, até o final de 2021. Serviços de transporte de carga, logística de transporte, armazenagem de mercadorias, todos eles no boom da ampliação do comércio eletrônico que a gente observou desde o começo de 2020”, explica Rodrigo Lobo, gerente de pesquisa mensal de serviços do IBGE.

Renan Pieri, professor de Economia da FGV, acredita que esse bom desempenho vai continuar e influenciar positivamente todo o setor de serviço e até o PIB brasileiro. Mas ele diz que os números poderiam ser ainda melhores.

“O país não se preparou para esse momento que a gente está vivendo, com esse crescimento tão rápido da área de tecnologia, muito mais rápido do que a gente esperava há cinco anos. E com a pandemia, a gente teve uma redução do número de matriculados no ensino superior e no ensino técnico. Então tudo isso deve gerar alguma dificuldade para o setor de tecnologia nos próximos anos de conseguir mão de obra’, relata Renan Pieri.

Por conta do aumento do uso do aplicativo de delivery de comida desde o início da pandemia, uma empresa que desenvolve esse recurso precisou contratar mais 2.100 funcionários da área de tecnologia. Só que outras 449 vagas continuam abertas, por falta de candidatos qualificados para os cargos.

Para não deixar de atender pedidos, a empresa criou um programa de formação de mão de obra. Já distribuiu mais de 4 mil bolsas para formação de profissionais de TI, sendo que 300 pessoas já concluíram os cursos e 150 estão empregadas.

“A gente enxerga o apagão tecnológico, ele é uma realidade. Então faltam profissionais qualificados, e toda empresa sofre com isso. Por outro lado, existe uma desigualdade enorme, e um alto índice de desemprego. Então a gente enxerga que o caminho para solução para ter esses profissionais passa pela capacitação. A gente tem um objetivo de formar e empregar 25 mil pessoas até 2025”, diz Luanna Luna, gerente de Educação do iFood.

A empresa de delivery fez as contas e viu que o investimento em pessoal bem formado voltaria na forma de lucro. Se o país fizer o mesmo, volta como crescimento, ensina o professor da FGV.

“Vai ser bom para os dois. Quando um jovem ele estuda mais, se qualifica, entende melhor o mundo ao seu redor, fica mais preparado, ele não só tem um aumento significativo de renda no futuro, isso transforma a vida dele e da família. Mas também isso acaba aumentando a produtividade do país, e o crescimento econômico”, destaca Renan.

Texto por: G1 Globo | www.g1.globo.com

Leia mais
fbenevides 18 de março de 2022 0 Comentários
Researcher using a transparent digital tablet screen futuristic

2022: o ano do 5G no Brasil

4 Grandes cidades do País já deverão ter acesso à rede até julho de 2022 e, então, a expansão do 5G vai continuar pelo interior. Mas isso não significa que o 3G e o 4G serão esquecidos.

Muito pelo contrário: os três tipos de rede vão conviver, a depender da localidade, da demanda e da estratégia de mercado de cada operadora.

A implementação da quinta geração da rede de internet será mais rápida do que aconteceu com o 4G. Essa nova rede também terá tipos diferentes, cada um com sua característica. É difícil falar em padrão de velocidade, por causa de fatores dinâmicos, como o padrão da operadora, a localização do sinal e o número de usuários na rede. De forma geral, o 5G é 20 vezes mais rápido que o 4G, e sua rede consegue suportar até 1 milhão de aparelhos conectados, enquanto o 4G segura apenas 10 mil.

Essa implementação será realizada por fases. No início, a rede disponível foi o 5G DSS (dynamic spectrum sharing, ou “compartilhamento dinâmico do espectro”, em português), no qual as frequências até então disponíveis e operacionais no mercado puderam ser utilizadas para rotear o 5G. Essa tecnologia determina a demanda das redes 4G e 5G em tempo real, dividindo o espectro de forma independente. O usuário terá acesso a essa rede, se tiver um celular com antena e chipsets compatíveis.

 

Novas frequências do 5G

Com o leilão realizado pela Anatel em novembro, estão disponíveis novas frequências. Entre elas, a faixa 3,5 GHz (também conhecida como n78), que permite uma largura de banda maior que as demais. Na prática, isso significa que mais informações poderão ser transmitidas entre a rede e o dispositivo por essa faixa. Consequentemente, a velocidade dos dados também será maior. Essa frequência poderá ser disponibilizada de duas formas: a non-standalone (NSA) e a standalone (SA).

No 5G NSA (non-standalone), ainda será necessário conversar com uma frequência 4G para autenticação de alguns registros. O registro principal é estabelecido em 4G (âncora) e a rede adiciona um ou mais componentes em 5G, o que permite alcançar altas taxas de transferência de dados (download e upload). Por sua vez, o 5G SA (standalone) foi desenvolvido para ser implementado em lugares mais controlados, como ambientes de manufatura. Nesses locais, os dispositivos conectados conversam entre si em 5G com velocidade igual à do NSA, porém com menor latência.

 

Diferenças para o usuário

Para os usuários de smartphones, a diferença entre a experiência do NSA e o SA é mínima. Mas o standalone é essencial para tarefas como cirurgias a distância e também para o desenvolvimento da internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) no Brasil. As redes SA que serão construídas pelas operadoras após o leilão vão baratear os dispositivos IoT, que não precisarão mais ser compatíveis com outras frequências e usarão apenas uma antena. Os smartphones, por sua vez, precisam dessa redundância de conectividade para continuar funcionando. Por exemplo, um celular compatível apenas com 5G não tem utilidade em uma área fora dessa cobertura.

O fato é: não importa o tipo de 5G utilizado, essa rede trará inúmeros benefícios para a sociedade brasileira como um todo, seja pela ampliação da área de cobertura, seja pela conectividade super-rápida que os consumidores passarão a ter. Os usuários poderão desfrutar dos benefícios já com o DSS e com o NSA. Os aparelhos compatíveis com o 5G já estão disponíveis no mercado brasileiro e não apenas nos segmentos premium. Sinal de que, logo, o brasileiro vai aproveitar todo o potencial do 5G por aqui.

 

Texto por: Olhar Digital | www.olhardigital.com.br

Leia mais
fbenevides 11 de março de 2022 0 Comentários
Aerial view of a business team

Investimento em tecnologia e capacitação são apostas das empresas para 2022

Para o empresariado brasileiro o ano da retomada já chegou. Passados quase dois anos de pandemia, as organizações estimam que 2022 será o ano que contribuirá para minimizar as perdas decorrentes da crise sanitária e de um período de incertezas na economia. Porém, não basta vontade. É preciso investir em tecnologia para sair na frente. Pesquisa da Deloitte, intitulada “Agenda 22“, mostra que 96% das empresas priorizarão os gastos em tecnologia em aplicativos, sistemas e ferramentas de gestão.

Segurança digital foi outro item levantado por 95% dos entrevistados. Outras áreas que receberão aporte serão a de atendimento ao consumidor (78%) e canais de venda online (71%). Os sistemas de gestão de dados, como o Enterprise Resource Planning (ERP), foram mencionados por 95% dos empresários como sendo fundamental para o êxito nos negócios em 2022.

Pensando em impulsionar os negócios, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) consolidou, em 2021, diversos projetos de digitalização para empresas. No plano interno, a Agência encerrou o ano com 82% de maturidade digital, que é a definição dada à capacidade que uma empresa tem de competir efetivamente em um ambiente digital. A meta, atestada pelo Índice Cesar de Transformação Digital (ICTD), ultrapassou a expectativa de alcançar 70% até o final do ano.

Especialista há mais de 14 anos na área de Tecnologia da Informação com foco em programação e desenvolvimento de Web, Banco de Dados, Infraestrutura, Sistemas Empresariais, entre outros, Renato Martins dos Santos acredita que esse é o caminho acertado para ganhar um diferencial no mercado. “No mundo corporativo quem detém informação sai na frente. Mas, para obter informações relevantes sobre os seus negócios, essas empresas precisam primeiramente possuir os dados para que sejam tratados e, assim, gerem informações relevantes. Esses dados podem vir de diversas fontes e sistemas dentro de uma mesma empresa, como área de compras, departamento pessoal, área de vendas, estoque, financeiro, contabilidade, fiscal, patrimonial e outros setores”, disse.

De acordo com ele, antigamente para juntar todos esses dados e convertê-los em ‘informação’ era necessário um grande volume de tempo e trabalho. “Nesse contexto surgiram os sistemas ERP, que são softwares robustos, capazes de atender todas as áreas e otimizar a gestão da informação por toda a empresa”, explicou.

As vantagens desse software são inúmeras e, segundo Santos, incluem centralização de informação em um único sistema, maior eficiência e agilidade, adequação às normas contábeis e fiscais, segurança das informações, redução de custos, maior controle dos processos, entre outros. Embora a ferramenta seja uma boa aliada das empresas, Santos avalia que é preciso uma certa dose de maturidade e preparo para se chegar ao objetivo final.

“Nos vários anos em que trabalho com tecnologia e implantação de sistemas, tenho visto vários casos de sucesso, mas também alguns de fracasso na implantação de um sistema ERP. Muitas empresas falham ao ignorar a importância de um mapeamento dos processos e atividades desempenhadas. Devemos lembrar que para atingir um nível satisfatório durante a implantação de um software ERP todos devem estar alinhados e empenhados em atingir o objetivo”, esclareceu.
Para o especialista, os cuidados a serem observados para que a implantação seja bem-sucedida estão ligados ao estabelecimento de um canal de comunicação eficaz e acessível entre a equipe de implantação, funcionários e os chamados stakeholders, que são todas as partes interessadas em seus resultados (sócios ou acionistas, clientes e colaboradores, fornecedores). Definir bem o escopo do projeto e funcionalidades do ERP, assim como mapear os processos e rotinas executadas dentro da empresa por área também são fundamentais.
Outra dica é escolher bem o tipo de software adequado para o tamanho de cada empresa. “Vale lembrar que essa tecnologia não é a solução de todos os problemas. Se uma empresa não possui o mínimo de organização de seus processos e atividades, um ERP por si só não resolverá o problema. De toda forma, é um excelente e essencial aliado”, aconselha Renato Martins dos Santos.

 

Investimento em Recursos Humanos:

A capacitação e o treinamento de todos os colaboradores envolvidos na utilização do Software ERP é outra orientação do especialista. Essa última recomendação vai ao encontro da tendência do mercado para 2022, que é a da capacitação de equipes em todos os setores. A pesquisa da Deloitte revelou que 58% das organizações querem ter colaboradores mais bem preparados este ano. Cinquenta e três por cento esperam que a troca de conhecimento e experiências possam ajudar a alavancar as vendas.

Outro dado que confirma a priorização de ações na educação corporativa está na pesquisa Global Marketing Insights. Segundo ela, o mercado dee-learning deve dobrar de tamanho até 2027 motivado pela participação de empresas e seus colaboradores. Os investimentos saltarão de US$ 250 bilhões para US$ 499,1 bilhões no período.

 

Texto por: Terra | www.terra.com.br

Leia mais
fbenevides 4 de março de 2022 0 Comentários
Texting at work

Aplicativos nas empresas: Como eles podem otimizar os processos

É possível otimizar vários processos investindo na criação de aplicativos que venham a suprir as necessidades das sua empresa.

Até pouco tempo, trabalhar utilizando o celular era impossível de imaginar, mas com a  tecnologia cada vez mais avançada, é possível desenvolver infinitas atividades profissionais através de smartphones e tablets.

Isso é tão possível que atualmente os dispositivos móveis ultrapassam o uso de notebooks e desktops no Brasil. Segundo dados recentes, são 242 milhões de celulares, contra 198 milhões de notebooks, desktops e tablets.

Esses dados querem dizer que é perfeitamente possível fazer com que a sua empresa consiga funcionar com seus trabalhadores utilizando aplicativos e realizando suas atividades através dessas ferramentas.

 

Quem precisa de um aplicativo?

Empresas de todos os portes e setores podem investir em um aplicativo próprio.

Essas ferramentas são desenvolvidas pensando nas necessidades da sua empresa, podendo resolver questões para facilitar o processo de seus funcionários ou para aproximar a relação entre sua empresa e seus clientes.

Existem inúmeras possibilidades dentro de um aplicativo, tanto é que hoje você encontra milhões de apps prontos e disponíveis para as mais diferentes possibilidades.

Existem muitos motivos para você investir na criação de um aplicativo para sua empresa e nós podemos listar alguns deles.

O mais importante é fazer uma análise e levantar todas as necessidades para que esta ferramenta seja criada para oferecer tudo o que você precisa.

 

Como os aplicativos podem otimizar processos:

Precisa otimizar processos dentro da sua empresa? Um aplicativo pode te ajudar!

Isso é possível através de ferramentas criadas para oferecer um sistema capaz de facilitar o trabalho do dia a dia da sua empresa.

O processo empresarial pode ser simplificado através de um app criado para a execução de trabalhos contínuos ou repetitivos.

Não importa qual seja o setor da sua empresa e nem o que ela faz, é possível criar um sistema perfeito para agilizar as suas principais funções.

Preenchimento de documentos, arquivamento de informações, atendimento personalizado, pós-venda, contato direto com o consumidor, contato com fornecedores, administração de estoques, são infinitas possibilidades.

Comércio, serviços e até algumas áreas dentro de uma indústria podem ter vantagens ao investir em um aplicativo.

Um bom exemplo são as lojas. Grandes varejos já possuem um aplicativo onde o cliente pode navegar pelo estoque, ter detalhes da peça e finalizar a compra.

Empresas de serviços podem não apenas apresentar seu material, como disponibilizar uma área exclusiva para contato com a equipe de vendedores e assim tirar as dúvidas do possível cliente.

Precisa guardar documentos ou permitir que o interessado crie um cadastro e seja direcionado para a sua equipe interna? Uma empresa de desenvolvimento de aplicativos pode te ajudar!

Para facilitar a construção do seu aplicativo, é importante já começar a listar o que você precisa, quais são as principais dificuldades do processo diário e assim será mais fácil conversar com o desenvolvedor.

Depois de ter um aplicativo próprio para a sua empresa, tudo ficará mais fácil, simples e organizado e as vantagens começarão a surgir, não apenas para a empresa, como para os funcionários e clientes.

 

Texto por: Meio Ambiente Rio | www.meioambienterio.com

Leia mais
fbenevides 2 de março de 2022 0 Comentários

A importância da transformação digital

Falar sobre a transformação digital se tornou uma necessidade premente do mercado atual. O que começou como uma forma de se destacar da concorrência é hoje uma condição fundamental para que a empresa consiga manter seu negócio competitivo.

De acordo com uma pesquisa global feita em janeiro de 2021 pela empresa de prestação de serviços KPMG, 71% das companhias brasileiras aceleraram suas estratégias de transformação digital devido à pandemia e 67% aumentaram seus orçamentos para esse fim. Com isso, um processo que acontecia lentamente no país cresceu de forma rápida e, por se tratar de um conceito tão amplo, algumas dúvidas podem surgir para as organizações que estão em processo de digitalização.

Primeiramente, é necessário entender que a transformação digital engloba um conjunto de ideias, infraestrutura e ferramentas capazes de migrar os processos das empresas que antes eram analógicos para um ambiente virtual, utilizando, assim, a tecnologia para melhorar o desempenho e os resultados. Esse conceito vai além de uma simples adoção de ferramentas ou softwares, pois exige uma mudança na estrutura da organização, onde a tecnologia exerce um papel estratégico.

Implementar a transformação digital pode ser desafiador e, para serem bem-sucedidas neste aspecto, as empresas devem observar alguns pontos. Antes de começar a utilizar qualquer ferramenta, por exemplo, o indicado é que a organização faça um diagnóstico da sua situação atual, ou seja, determine quais áreas precisam de investimento tecnológico. Para algumas empresas pode ser necessário fazer automação no atendimento ou melhoria nos sistemas de comunicação interna. Por isso, analisar a situação atual contribui para que a empresa entenda suas prioridades e faça um planejamento tecnológico adequado.

Além disso, a gestão precisa estar engajada neste processo. A transformação digital afeta toda a dinâmica de trabalho e, por isso, a liderança precisa estar capacitada para trabalhar com as novas tecnologias de forma mais efetiva. As estratégias da gestão devem considerar os novos recursos disponíveis e utilizá-los para melhorar a produtividade das equipes.

Outro ponto de extrema importância é alinhar os colaboradores com as mudanças. Quando a empresa começa o seu processo de transformação digital, as equipes precisam entender como isso contribuirá para que o trabalho seja mais efetivo.

Como já foi destacado, a transformação digital implica na implantação de um processo gradual que não irá acontecer do dia para a noite. No momento em que as estratégias, gestão e equipes estiverem alinhadas, a próxima etapa será testar as novas ferramentas e verificar se elas estão de acordo com as expectativas e necessidades da empresa.

Ao investir na transformação digital a empresa se abre para inúmeras possibilidades de obter melhores resultados por meio da criatividade e da inovação. Otimizar os processos ultrapassados é uma forma de se destacar da concorrência e consolidar a empresa no mercado.

Rafael Dantas, superintendente da Câmara Americana de Comércio.

 

Texto por: TI Inside | www.tiinside.com.br

Leia mais
fbenevides 18 de fevereiro de 2022 0 Comentários
Analyzing electronic document

Investimento em nuvem é o caminho para negócios de sucesso

Em 11 de março de 2020,  a OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou que o planeta estava vivendo uma pandemia de Covid-19. Como sabemos (e vivemos), a doença teve um impacto direto na vida de bilhões de pessoas, que precisaram se adaptar a uma nova rotina. Algumas mudanças que passamos ao longo desses últimos dois anos poderão ser adotadas definitivamente quando tudo voltar ao normal, como o tão falado home office.

A troca do escritório pela mesa de casa exigiu planejamento, organização e investimento de empresas dos mais diferentes setores. É nesse cenário que a tecnologia de nuvem ganhou espaço, contribuindo para a sobrevivência de muitos negócios e favorecendo o surgimento de novas iniciativas.

Uma pesquisa da consultoria Gartner projetou que os investimentos em nuvem em 2022 devem ser de US$ 482 bilhões, cifra bem superior aos US$ 396 bilhões movimentados em 2021 e aos US$ 313 bilhões em 2020.

O crescimento do mercado de cloud nesse período tem relação direta com a realidade criada pelo novo coronavírus e essa não é apenas uma opinião pessoal. Segundo um levantamento da LogicMonitor, 87% dos tomadores de decisão na área de TI acreditam que a pandemia acelerou o processo de migração para a nuvem.

Aplicativos de delivery, plataformas de comunicação, serviços de atendimento e sistemas de pagamento digital foram fundamentais para manter o mínimo de normalidade na rotina das pessoas sem que fosse preciso sair à rua. A demanda cresceu e só foi possível acompanhar essa revolução graças às soluções em nuvem, que são mais versáteis do que a hospedagem em um servidor local.

Os brasileiros têm bastante afinidade com smartphones, tablets e computadores. Trocar alguns compromissos na vida real por toques em uma tela foi algo natural. Não por acaso, a TechNavio coloca o Brasil e seus países vizinhos como uma região chave para o crescimento dos serviços de nuvem.

As empresas que investem nessa tecnologia aumentam suas chances de sucesso. As soluções em nuvem oferecem ferramentas para uma melhor adaptabilidade, com cinco vantagens evidentes: agilidade, redução de custos, segurança, confiabilidade e flexibilidade.

O cloud computing garante à empresa maior capacidade de desenvolver, testar e lançar novos projetos, um ganho de tempo que traz produtividade e economia. Isso pode fazer toda a diferença para enfrentar períodos de transição agora e no futuro.

Os serviços baseados em nuvem são ideais para organizações que estão em crescimento ou que trabalham com um número flutuante de clientes e colaboradores. De nada adianta apostar em um novo serviço se a estrutura de TI não está preparada para transmitir um grande volume de dados com a velocidade necessária para o negócio e armazenar essas informações com segurança.

Ainda não é possível saber quando as autoridades de saúde vão anunciar o fim da pandemia ou tampouco prever todos os impactos permanentes que o vírus provocará na economia e na sociedade, mas a tecnologia sempre será o melhor caminho para encarar o que está por vir.

Armindo Sgorlon, atua como empreendedor desde os 23 anos. O empresário possui MBA em Gestão Estratégica pela USP e acredita que a tecnologia é capaz de transformar todos os setores e negócios. Atualmente é CEO da SGA TI em Nuvem.

 

Texto por: TI Inside | www.tiinside.com.br

Leia mais
fbenevides 11 de fevereiro de 2022 0 Comentários

O impacto da tecnologia na gestão empresarial

O impacto da tecnologia no mercado ocorre de maneira direta e multifatorial, ou seja, muitos aspectos modificam o fluxo de oferta e demanda através de novas ideias e de novos serviços e produtos.

 

O impacto da tecnologia na gestão empresarial

Os fatores tecnológicos precisam de amparo estratégico por parte de uma gestão empresarial, considerando que muitos pontos impactam nos resultados de uma marca no mercado.

 

Novas tecnologias e novas necessidades

Uma vez que novos produtos podem fazer com que surjam novas necessidades, da mesma maneira, uma nova forma de prestação de determinado serviço, pode modificar um segmento em todo o processo do setor. Sendo assim, a gestão da empresa deve analisar de forma estratégica a viabilidade de investir em tecnologia na gestão, de maneira que possa amparar os seus fluxos e atender o seu cliente de forma total.

 

Modificação do fluxo de oferta e demanda

Os fatores tecnológicos modificam o fluxo de oferta e demanda, considerando que o desejo de compra do cliente não é estático. Sendo assim, é importante que uma empresa verifique o que há de novo no mercado. Visto que podem surgir novas oportunidades para gerar valor competitivo para uma marca, ainda que ela já exista no mercado de forma tradicional. Dessa forma, é possível que uma empresa faça uma análise centralizada de gestão, de modo que considere todos os seus fluxos como fatores holísticos.

 

É necessário atualizar o funil de vendas e investir em sistemas integrados

Assim sendo, o investimento em tecnologia passa a ser integrado, considerando todas as cadeias produtivas e todas as entregas que são feitas ao cliente. Haja vista que a experiência do cliente é composta por todos os fatores diretos e indiretos na gestão empresarial, ou seja, é  necessário atualizar o funil de vendas e investir em sistemas integrados para melhorar a comunicação da marca com a sua audiência.

É fundamental que a gestão da empresa faça uma correta gestão de estoque e logística. Dessa forma, poderá garantir as entregas dos produtos dentro do prazo prometido.

 

Amplie o seu canal de vendas 

Sendo assim, uma gestão holística está completamente ligada aos fatores tecnológicos. Uma vez que o investimento em sistemas integrados, como a tecnologia omnichannel, permite que a empresa amplie o seu canal de vendas e realize uma gestão que considere métricas em tempo real, amparando fluxos internos e externos.

 

Quebra de barreiras na comunicação

Dessa forma, a gestão da empresa quebra importantes barreiras no que diz respeito à comunicação. Certamente, as ferramentas tecnológicas amparam uma empresa; ao passo que a ausência desse investimento pode fazer com que uma marca crie um fluxo contraproducente, entrando em obsolescência.

 

Texto por: Notícias Concursos | www.noticiasconcursos.com.br

Leia mais
fbenevides 4 de fevereiro de 2022 0 Comentários
usiness people meeting to discuss the situation on the marketing

A tecnologia implícita na inovação e as oportunidades para as empresas na era digital

A tecnologia é um fator inerente à nossa realidade no trabalho e na vida pessoal. Por isso, é importante que uma empresa acompanhe os fatores tecnológicos, de modo que não fique aquém do seu potencial dentro do mercado. 

A volatilidade do mercado atinge todos os setores. Por isso, quanto mais uma empresa investir em tecnologia, mais conhecimento poderá obter sobre dados relevantes para que se direcione assertivamente. 

Além disso, uma empresa que se mantém atualizada atende o seu cliente, algumas vezes, criando novos nichos através de novas necessidades que surgem por conta da demanda tecnológica. 

Sendo assim, é importante que a empresa, independentemente do seu porte, nicho ou segmento de atuação, acompanhe os fatores tecnológicos que se referem a muitos pontos. Já que, na atualidade, todos os recursos que uma empresa utiliza são fatores relevantes para o seu crescimento. 

Investimentos em fluxos holísticos

Por isso, é necessário entender a tecnologia em diversas vertentes da gestão empresarial. Por exemplo, é importante que a empresa invista em sistemas integrados que otimizem a comunicação interna; também é necessário que uma gestão atualizada saiba como direcionar as habilidades soft skills do candidato durante o processo seletivo. 

Não menos importante, o fluxo operacional precisa ser revisto para que a empresa consiga eliminar etapas de processos, direcionando o seu fluxo para atender a sua demanda em tempo cada vez menor, porém, sem perder a qualidade.

Sendo assim, é necessário que a empresa conheça as inovações do mercado. Por exemplo, o sistema omnichannel se tornou uma necessidade para uma empresa do varejo, independentemente do seu porte. Porém, era uma opção quando do seu surgimento.

A tecnologia sempre deixará de ser opcional 

Entretanto, como tudo o que se modifica por conta da internet e do surgimento de novas tecnologias, a tecnologia omnichannel tornou-se cada vez mais necessária para uma empresa para se manter no mercado.

Visto que esse tipo de sistema permite que o cliente utilize diversos canais da empresa, entre canais físicos e online. Também é uma integração importante para a comunicação interna e externa.

A inovação oriunda da inovação

Portanto, uma empresa que investe em tecnologia pode otimizar seus processos de forma ampla. Outro exemplo de como os fatores tecnológicos modificam a rotina das empresas, é a impressão 3D, que na atualidade é utilizada por diversos ramos no mercado, bem como também é utilizada por empresas para fabricar produtos específicos. Ou seja, é possível inovar através da inovação tecnológica de outras empresas.

Por isso, é necessário que a empresa entrante no mercado considere o surgimento de novas necessidades dentro desse ciclo intangível e, cada vez mais rápido, que é a inserção de novas tecnologias e a otimização de produtos e serviços que já utilizamos, por muitas vezes, de maneira implícita na nossa rotina pessoal e profissional.

 

Texto por: Notícias Concursos | www.noticiasconcursos.com.br

Leia mais
fbenevides 30 de dezembro de 2021 0 Comentários